4 aparelhos que revolucionaram e revolucionam o diagnóstico em laboratórios!

Se existe um setor da sociedade que se beneficiou muito das constantes tecnologias que surgem em centros de pesquisas e até mesmo na indústria automobilística, é o de Diagnóstico em Laboratórios.

A evolução de aparelhos e técnicas nas últimas décadas – e agora com uma velocidade em anos – surpreende até mesmo os mais otimistas e especialistas do setor.

Tudo em benefício de bilhões de pessoas em todo o mundo, melhorando o tempo, a precisão e a qualidade dos laudos, e com isso funcionando como fortes aliados da Medicina na definição de tratamentos mais eficazes e aumentando o percentual de cura ou de sobrevida de tantas pessoas.

Vamos falar de X aparelhos que revolucionaram e revolucionam o diagnóstico em laboratórios.

1 – Raio X colorido

Este método muito recente promete revolucionar o diagnóstico feito por raio X, uma das formas mais tradicionais e ainda eficaz no diagnóstico de muitas doenças, e principalmente na análise de cânceres.

E ele vem atuar numa questão importante deste tipo de exame: a densidade dos materiais onde o raio X atua. Ossos, sangue, músculo, água, células de gordura, cada item tem sua própria densidade, e os raios tem a sua limitação de penetração.

Para itens de densidade parecida, o exame tradicional não consegue diferenciar com a clareza necessária, e aí entra o raio X colorido. Para cada componente presente no resultado da área, uma tecnologia chamada MARS colore, de forma que podemos ver nitidamente a presença ou ausência de cada uma delas.

Desta forma, o técnico ou médico podem, por exemplo, definir se uma formação próxima a um osso é gordura ou uma formação tumoral.

2 – Exames instantâneos

Uma questão onde as novas tecnologias têm trabalhado bastante é na redução do tempo para resultado de exames laboratoriais. Sabemos como um resultado mais rápido pode representar a diferença entre tratamentos e até mesmo de sobrevida.

Hoje em dia já é possível encontrar técnicas que entregam resultados de exames de colesterol e gravidez no mesmo dia ou em minutos após a coleta do sangue.

Esta tecnologia surgiu no Brasil através da empresa Hilab e é extremamente simples: após coletar a amostra em lâminas, o aparelho digitaliza a amostra e disponibiliza na nuvem para que técnicos no laboratório possam acessar e analisar.

Após a análise, o técnico assina digitalmente e envia por e-mail para o paciente e para o médico solicitante do exame. Tudo em poucos minutos, agilizando o diagnóstico médico e o início do tratamento.

A técnica é válida para testes de Dengue, Zika, Colesterol, Glicose e outros cuja coleta se faz por sangue.

3 – Centrífugas

Este é um equipamento essencial em todos os laboratórios, desde os de pesquisa em centros e universidades até os de análises clínicas. E também é um dos aparelhos mais tradicionais.

Nos laboratórios de análises clínicas, são usadas nos exames de sangue e o princípio de centrifugação permite que partículas de densidades diferentes se separem, ocupando espaços diferentes no tubo coletor da amostra. Desta forma, é possível fazer as análises com o máximo de profundidade.

Existem modelos variados, desde as centrífugas com velocidade fixa – são os modelos mais simples – até evoluções que permitem regular a rotação, programar o tempo da centrifugação e centrífugas com refrigeração.

No momento de compra de uma centrífuga laboratorial, alguns fatores precisam ser considerados: a velocidade de rotação necessária, o volume dos tubos ou frascos, a capacidade deles e se é preciso que a centrífuga seja refrigerada.

Conheça diferentes modelos de centrífugas laboratoriais em http://www.minaslabor.com.br/produto-categoria/equipamentos/centrifugas/.

4 – Tomossíntese mamária

Este é um método que revoluciona e confere qualidade e segurança a um exame crucial na vida de todas as mulheres – o exame preventivo de câncer de mama.

A tomossíntese mamária é a evolução deste exame, que já tinha um capítulo importante há algumas décadas com o mamógrafo digital. Ela consiste de imagens tomográficas das mamas, com tecnologia 3D que permite analisar todo o tecido mamário.

Isto permite identificar tumores pequenos, que os métodos anteriores não conseguiam captar. E como esta tecnologia tem uma sensibilidade de imagem muito maior, as diversas formações e texturas dos tecidos e dos tumores ficam mais claras, permitindo uma análise ainda mais acurada.

 

Share this post

Share on facebook
Share on google
Share on twitter
Share on linkedin
Share on pinterest
Share on print
Share on email